segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Síndrome de Solomon: O medo de se destacar!

      "Foi um experimento feito na década de 50 pelo psicólogo Solomon Asch com 123 alunos. ( João Alexandre Borba, psicólogo e mastercoach)
      Ele colocou dentro de uma sala de aula sete alunos que já sabiam a resposta de uma situação que ele criou, onde foi colocada uma imagem com três linhas completamente diferentes uma das outras e colocou uma quarta linha que era igual uma das outras três.
      Os sete alunos que sabiam a resposta foram induzidos por Asch para darem a resposta errada e diziam que a linha certa era a primeira. Enquanto isso, o oitavo estudante entrava na sala achando que o resto dos garotos participava da mesma prova de visão que ele e também era induzido. Ele até percebia o erro, mas se induzia pelos outros," explica
      O psicólogo explica que este resultado é em função de pressão social. João Borba alerta que desde a infância esta síndrome deve ser observada. "Esse movimento de olhar para si mesmo deve ser incentivado desde a infância para que o indivíduo vá se formando como alguém capaz de acreditar nele. A raiz de tudo vem muito do olhar que nossos pais dão para gente," explica.
       Uma sugestão de João Borba é fazer uma lista de 30 qualidades pessoais, para mostrar o que tem para oferecer ao mundo. Depois fazer outra lista de momentos em que a pessoa tem oportunidade de expor e aprimorar estas características, de forma que se ganhe segurança e se torne cada vez mais única e especial.





Fonte: http://www.psicologiasdobrasil.com.br


   

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Inteligências Múltiplas!

      Howard Gardner identificou nove tipos distintos de inteligências e vem pesquisando outras mais: Linguística, Lógico-Matemática, Visuo-Espacial, Cinestésica, Musical, Interpessoal, Intrapessoal, Transcedental ou Espiritualista(Existencialista) e Pictórica.
      Afirma que todo ser humano nasce com todas as inteligências e que elas são moldadas pelos estímulos recebidos para se desenvolverem. Isto torna as pessoas diferentes umas das outras, com graus variados de cada inteligência e com maneiras diferentes de as combinar e organizar.
      Ressalta que, embora independentes, raramente funcionam isoladamente.


   
      Rubem Alves vem contribuir a respeito das inteligências, apontando a necessidade da motivação, da emoção e do desejo para o aprender.
      Howard Gardner aponta que cada ser humano tem uma combinação única de inteligência. Este é o desafio educativo fundamental.



Contribuição de Copyright- Instituto de Pesquisas em Neuroeducação -Todos os direitos reservados.
         

sábado, 14 de novembro de 2015

O Autista e a Teoria da Mente!

      O autista é incapaz de realizar a leitura dos sentimentos do outro observando a sua fisionomia ou entendendo o sentido figurado de algumas falas.
      Isto se dá devido a sua insuficiência da Teoria da Mente.
      O autista não tem a capacidade da empatia, pois sua leitura de mundo é única e dele mesmo.



      A Teoria da Mente Insuficiente implica em dificuldades em:
  • Entender os sentimentos alheios.
  • Entender que os outros esperam que seu comportamento mude dependendo de onde ou com quem estão.
  • Prever o que as pessoas podem fazer em seguida.
  • Interpretar diversos gestos ou expressões faciais.
  • Entender como o seu comportamento pode irritar terceiros.
  • Entender regras sociais.
  • Expressar as próprias emoções adequadamente.
    Para auxiliar a pessoa autista é necessário mostrar ilustrações de diferentes emoções e até, se possível, mostrar vídeos de diferentes condutas humanas: risos, choro, raiva, prostração, etc.
      É necessário que o professor ou quem está ensinando a pessoa autista faça com que no momento da fala o seu olhar encontre com o olhar do autista.
      Trabalhar com mímicas e/ou dramatizações em que a pessoa autista visualize diferentes comportamentos e se conseguir atuar no teatro, que faça diferentes papéis na peça, com a possibilidade de se colocar no lugar do outro e experienciar diferentes emoções.

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Atividades de Coordenação Óculo Motora e Traçados de Letras, Números e Figuras Geométricas!

      Algumas Atividades Práticas para a estimulação à Coordenação Óculo Motora:

      Através de Brinquedos Construtivos, alunos podem receber estimulação à Lateralidade, Coordenação óculo Motora, traçados de Letras e Números e fixação das Figuras Geométricas.

      Durante os vários exercícios, eles brincam e descobrem os traçados que devem fazer para realizar as figuras, os caminhos, as letras e os números.
   





















     Fonte: OG Brinquedos Construtivos de Ana Guimarães

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Mielinização: Anatomia da Aprendizagem!

      Na Anatomia da Aprendizagem vale citar o Mielinização.
      Mielinização é a camada de gordura que se forma nos axônios, terminação da célula nervosa.



      A Mielinização quando bem espessa auxilia para que as conexões, e os estímulos ocorram rapidamente entre um neurônio e outro. As sinapses ocorrem com mais frequência e rapidez.
      Uma boa Mielinização é responsável pelo raciocínio rápido e auxilia para que a aprendizagem ocorra  também rapidamente. Portanto, se um aluno tem dificuldades de compreensão e entendimento das informações que são passadas a ele, não consegue interpretar, não podemos refutar a possibilidade de seu orgânico ser o responsável por isso.
      A formação da Mielinização ocorre, inicialmente, com a amamentação, mais específicamente, com o colostro, que é o primeiro leite que o bebê suga de sua mãe.





      A alimentação, os exercícios físicos, a música, realizar coisas diferentes, mudar hábitos auxiliam na formação de sinapses e de neurotransmissores.
     Exercitar o cérebro e ter alimentação adequada é importantíssimo. Evite fazer sempre as mesmas coisas, busque novidades e estimule o seu SNC, Sistema Nervoso Central.




domingo, 21 de junho de 2015

Memória de Curto Prazo!

      A memória pode ser definida como a capacidade do indivíduo de gravar as experiências e acontecimentos ao longo da vida.
      Pode ser através da experiência sensorial: visual, auditiva, tátil e gustativa.
      Pode ser através do material verbal ou não verbal.
      A Mémória de Curto Prazo é o aspecto da memória que envolve lembrança imediata.
      No tratamento das disfunções da memória é importante identificar a fonte da dificuldade, se possível, bem como a natureza e parâmetros da disfunção. Entendendo-se o mecanismo da dificuldade pode-se conduzir ao desenvolvimento das intervenções apropriadas.
      A intervenção Psicopedagógica em indivíduos que tem problema de retenção vem no sentido de auxiliar para que este faça um maior número de relação entre o objeto de estudo (o que quer ou o que precisa aprender ) e suas estruturas mentais.
      No exemplo de atividade de estimulação da memória de curto prazo através de um ditado de imagens com tempo de visualização cronometrado em 1min e 1/2 a 2 minutos, cada profissional pode realizar a confecção de suas cartelas para visualização com o conteúdo que quiser que o indivíduo venha a memorizar.


      Mostra-se a cartela por 1min 1/2 a 2min. Após o indivíduo deve  escrever todos os nomes que lembrar na lista determinada.


      A correção deve ser feita logo que o indivíduo termina de escrever. Mostra-se a ele a quantidade de acertos e erros, se for o caso. Após, segue-se a atividade com outras cartelas repetindo os procedimentos para que o indivíduo perceba o seu avanço ou não, na retenção de informações.
      Outros modelos de cartelas:


      As imagens selecionadas possuem relação de semelhanças em algum aspecto. Na cartela acima, todas as imagens são instrumentos musicais. Esta semelhança entre as imagens é um auxílio para a retenção.


      Foi percebido na avaliação da memória de curto prazo, que o indivíduo demonstrou maior facilidade na memorização com as cartelas que possuiam imagens cujos nomes iniciavam com a mesma letra.



 



FONTE:
BOSSA, N.A. Dificuldades de Aprendizagem: o que são? Como tratá-las? POA. Artes Médicas Sul, 2000.
AMEM, D.G. Transforme seu Cérebro, transforme sua vida. SP. Mercuryo, 2000.

sábado, 7 de março de 2015

Aramados para percepção visual:

      A Percepção Visual possui várias áreas a ser desenvolvidas:

  • percepção visual espaço;
  • percepção visual relação espacial;
  • coordenação óculo motora;
  • figura fundo;
  • constância de forma.
      Alunos com dificuldades na percepção visual apresentam dificuldades na aprendizagem.
      Os aramados são excelentes recursos para a estimulação à coordenação óculo motora:














      A Percepção Visual é preocupação maior nas séries iniciais, porém, não há comprovação de que por volta dos 10 anos de idade a criança já esteja pronta nesta área. Desta forma, a Percepção Visual deve ser trabalhada no decorrer de todos os anos escolares.
      Marianne Frostig, argentina, preocupou-se em investigar propostas de atividades para intervenções nas áreas da Percepção Visual.